Uma despedida. E algumas dicas.

É com imenso pesar que comunico que não vejo mais pastas. Durante 11 anos em São Paulo, mantive uma média de 2 pastas por semana. Era o mínimo que eu poderia fazer, uma vez que fui tão bem recebido por vários grandes nomes. Entre eles: Ricardo Freire, Marcelo Aragão e o meu amigo Wilson Mateos. Fora o Victor Sant’anna, que me ajudou muito desde os tempos de Rio de Janeiro.

O fato é que não tenho mais tempo para atender aos pedidos que me chegam. E nunca vi pasta de uma maneira leviana. Para não passar pelo papel de “cara que não responde ao email que eu mandei com a minha pasta online”, escolhi parar de ver. E resolvi escrever algumas coisas que falei durante esse tempo. A todos os que eu vi, espero ter ajudado de alguma forma. Aos que gostariam que eu tivesse visto, ficam umas parcas dicas. Espero que ajudem.

Ligar ainda é a melhor forma de marcar uma hora para ver a pasta. Depois, o email. Facebook, Twitter e Instagram, na minha opinião, não são lugares para abordar. Ah, e esqueça aquelas lendas urbanas de ficar com uma seta pendurada no pescoço na frente da agência dizendo: eu queria muito mostrar a pasta aqui. A ideia tem que estar dentro da pasta. Não na hora de agendar.

Conseguiu marcar para mostrar a pasta? Ótimo. Estude a agência. Estude o trabalho do redator ou diretor de arte agendado. Se o cara não é muito fã de títulos, não será a sua pasta que o convencerá do contrário. Troque alguns títulos por outras peças. Claro, se você tiver gordura na pasta para fazer isso. Caso não tenha essa gordura, mude a ordem das peças. Crie intervalos na pasta. Para que o criativo veja algo mais próximo do que ele gosta em intervalos. Saber os estilos de cada agência ou de uma safra de criativos é um estudo que, se não fizer mudar a sua pasta na hora, pode mudar a longo prazo.

Está vindo de outra cidade e não tem muito tempo? Ligue com antecedência. Estude o mapa de São Paulo. Marcar uma pasta na Y&R no mesmo dia de uma visita na F/Nazca pode ser um suplício. Concentre as agências pelas regiões do mapa, sempre que possível. Comece fazendo uma ordem de prioridade das agências que você gostaria de ter uma chance. E depois, olhe o mapa. Espalhe as Top 5 em dias diferentes e boa sorte na hora de ligar.

Está em São Paulo? Marque com calma. Pastas boas se espalham rapidamente.

Não chegue atrasado. Você pode tomar um chá de cadeira, acontece muito, mas é melhor deixar o outro lado em uma posição desconfortável.

Eu sempre pedi um breve resumo da carreira antes de ver a pasta. Achava importante ver o trabalho de acordo com o mercado. Com a realidade local. Se der um espaço, fale sobre isso. Se o cara for minimamente compreensível, vai tentar ver a pasta com outro olhar.

Não seja comentarista da sua própria pasta. Eu sei que é complicado aquele silêncio. Mas comentar a própria pasta aumenta muito as chances de você soar arrogante ou falar algo indevido. Seguindo a linha, evite falar sobre cada prêmio de cada peça. Se for um prêmio importante, quem está vendo quase sempre sabe. E o fato dela ser premiada, não quer dizer que todo mundo tem que gostar. Lembro com tristeza de uma pasta com adesivos pequenos de prêmios.

Pasta é o resumo do que você acha importante no seu trabalho. Várias vezes ouvi: mas essa veiculou. Grandes coisas. Veiculou e era ruim? Não traz mérito algum. Oh, estou dizendo que você tem que montar uma pasta inteira fantasma? Bem, dependendo do seu mercado ou da sua agência, sim. A realidade é dura? Aproveite os mesmos briefings, aproveite a impressora, aproveite um dupla e faça aquilo em que você acredita. Sempre me surpreendi mais com pastas de lugares que eu não esperava ver nada de bom. Porque o cara mostrava discordar daquilo claramente no seu trabalho.

Abriu a pasta com Leão? Bem, tomara que o resto dela segure esse rojão. Caso contrário, deixe para o final.

Você é repleto de Leões, mas não tem um trabalho que preste na rua. Xi….

Assuntos fáceis demais: evite. Ande pelas encrencas, pelo trilho sujo, pelo osso. Na sua agência tem produtos agrícolas? É esse que você tem que pegar e destrinchar. É melhor isso do que ficar nas ONGs e camisinhas da vida.

Se você é redator, tenha ao menos uma prova de que sabe escrever na pasta. Apps, ações, cases são ótimos. Mas há uma geração inteira que pensa fora da “caicha”. Com ch mesmo. Porque não sabe escrever o básico. Pensa na ferramenta, antes do seu próprio ofício. Se você é diretor de arte, coloque um all-type. Parece fácil, mas é onde a grande maioria desliza. A vida não é um adsoftheworld. Boa parte dos jobs tem pouco prazo. E não é com uma referência cool de um ilustrador finlandês que você vai resolver.

Sobre referências da internet. Avise quando for uma. Dê crédito à fonte. É melhor isso do que ser descoberto depois. Podendo evitar, evite.

Eu sempre preferi ver 5 campanhas de 4 peças do que 20 ideias isoladas. Campanhas com conceito são a prova de que você consegue ver o todo com um pouco mais de maturidade.

Cases, apps, ações. Dê mais ou menos peso, dependendo do lugar que você vai mostrar a pasta.

Diferente pode ser ruim. Pode ser uma direção de arte cool-hipster-style, um filme cabeça e ser ruim ainda assim.

Deixar ou não um CD com a sua pasta? Eu diria que não. Só se for um CD do Black Keys de presente. Mande o link depois.  CDs e brindes ruins de produtora costumam ter o mesmo destino. Sinto dizer.

Você vai ouvir coisa que não gostaria. Se não quer críticas, fique em casa. Claro, existem jeitos de criticar. Se o cara for um babaca (sim, eles existem), use como motivação. Há um clichê que sempre se confirma: o mundo dá voltas. Prove que ele estava errado. Há um outro ensinamento do Edu Lima que eu gosto muito: quem fala esquece, quem ouve, nunca.

Mostrou a pasta na agência que você queria? Não ligue no mês seguinte para outro criativo do mesmo lugar. Sempre soa como se a opinião do primeiro não tivesse importado.

Pasta nunca está boa. Fique inquieto com a sua. Quer um exemplo? Você mostra a pasta para um cara e no ano seguinte mostra de novo. Tudo o que ele esperava ver era uma renovação. E você levou a mesma pasta, igualzinha. Sem perceber, você desce um degrau no conceito do cara.

Um jeito Luciano Lincoln de avaliar o trabalho: todo fim de ano, reúna o que você produziu de melhor. Olhe com calma. Espalhe as peças no chão (ele fazia isso). Você sempre tem algo para melhorar. Você pode ter passado o ano inteiro só resolvendo pepinos e não fez nenhuma campanha de conceito forte. Logo, comece o ano por aí.

Para finalizar: não acredite mais em release do que em fazer. Seja justo. Mantenha um senso crítico mais apurado com o seu trabalho do que com o dos outros. Alimente o seu ego como se ele fosse um modelo do SPFW.

Acredite em uma regra básica: sentar a bunda na cadeira e fazer muito. Os caras que eu mais admiro fazem assim até hoje. Boa sorte.

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

8 pensamentos sobre “Uma despedida. E algumas dicas.

  1. Manuel disse:

    Foda.
    Vou dar print screen e deixar de fundo de tela do meu computador.

  2. fabiochap disse:

    Se você perguntar pra uma figurinha no álbum da Copa do Mundo em qual página ela quer ser colada, óbvio que ela virá com algumas sugestões: Brasil, Espanha, Alemanha, França, Inglaterra, Itália.

    É difícil a vida de quem mora da página da Tchecoslováquia, mas não podemos nos segurar na muleta e dizer que não temos Pepe Guardiola para nos treinar. Não podemos cair no erro de dizer que não temos Iniesta e Xavi passando a bola.

    – Ir mais para a academia.
    – Assistir mais (ou todos) dvd’s com jogadas de Messi, Neymar, C. Ronaldo, etc.
    – De repente, treinar na areia, no salão, futvôlei. Desenvolver micro-habilidades que farão a diferença no grande clássico Tchecoslováquia x Tunísia.
    – Fazer um golaço-golaço para saber por 3ºs, 4ºs ou 5ºs que Guardiola falou: “Oh que gol bonito.’
    – Fazer 55 gols regulares e 15 golaços na temporada. Assim, Guardiola assiste seu DVD.

    Na Tchecos/BBZO sempre vai faltar D.A. pra diagramar grandes ideias. Sempre vai faltar D.C. pra orientar melhor. Mas se faltar empenho e olheira, seus títulos nunca impressionarão Guardiola Bernbach.

    Quem está em agência pequena – como eu – não pode usar muleta. Um texto como esse nos auxilia a andar.

    Valeu, Pepe Kassu.

    Acabei sendo professoral. Desculpe. Mas precisei registrar todos esses pensamentos para que orientem, principalmente, a mim.

  3. brunopereira disse:

    Kassu, queria te agradecer muito por tudo que você me ensinou aí de longe. Muito mesmo.
    E é bacana demais ver sua consideração de escrever algo só pra falar que não vai mais ver pasta. É muito carinho, sacas? Muito cuidado com a gente. Porra, maninho, valeu mesmo. Sempre vou me espelhar em você e em seu trabalho, soando isto bobo ou não.
    Ainda te dou um abraço e agradeço como deve ser.

    Obrigado. Mais uma vez. De coração.

  4. daniloblume disse:

    Esse é o tipo do texto que a gente nunca esquece. E de vez em quando tem que ler de novo pra lembrar de cada palavra. As palavras tentam ser objetivas, práticas. Mas acabam inspirando a gente. Valeu, Kassu.

  5. Tiago disse:

    Sei que estou atrasado, mas ouvi dizerem sobre este seu texto e vim conferir só agora. Continuam ótimas dicas. Mas, e hoje em dia, com a CP+B, você continua não vendo pastas? E, sendo assim, como tem selecionado o pessoal para se juntar à sua equipe?

    Abraço.

    • andrekassu disse:

      Oi Tiago,
      eu consegui montar uma boa rede de contatos para saber o que está acontecendo no mercado. Em especial, entre os mais novos. Como eu vi muita pasta, tenho uma série de pessoas para consultar. Além disso, tenho a equipe na agência. Humanamente é impossível ver as pastas com a atenção necessária. Por isso, prefiro usar os contatos. Abs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: