Meu cérebro, um Bóson de Higgs.

Olho para cima em busca de luz solar. Não há nada. Estou bem abaixo do nível do solo. Ao meu lado, um cientista estranhamente barbudo me explica como os dados sobre colisões de feixes de partículas de prótons podem ajudar a recriar um pequeno Big Bang. Ele dedilha um violão, percebo sua longa unha de porcelana. Ele começa a cantarolar baixinho: o Bóson de Higgs é uma partícula de Deus, tá tudo bem, não tenha medo do buraco negro, negro. Os cientistas batem palmas ao seu lado. Telas de celulares iluminam o ambiente fazendo o papel de isqueiros. Leio a placa: Grande Colisor de Hádrons. Nessa hora, dois feixes de prótons são impelidos a uma energia de 1,18 (TeV). Como eu sei isso? Estava na canção do barbudo. Começo uma corrida desenfreada porque desenfreada é uma palavra que só pode ser usada com corrida. E me pego carregado por uma massa de sumérios.

Não entendo nada do que os sumérios dizem. Reparo uma estranha semelhança entre o líder dos sumérios e o cientista que rimava bóson com próton. O idioma é aglutinante, feito por elos, por inflexão, me explica pela linguagem universal dos sinais, o barbudo.  Sinto um clima de Wikipedia no ar. Estou confuso. O elenco de sumérios parece saído do Porta dos Fundos. Rezo para que o Fabio Porchat apareça dizendo que é tudo brincadeira. Começa uma nova canção no estranho idioma. Olho com atenção. Os sumérios são os membros do Hurtmold. Caio no sono.

Abro os olhos. Ao meu lado está Sergei Paradjanov. Ele me explica o sentido filosófico do filme “A cor da romã”. Desconheço Paradjanov, nunca comi romã. Ele insiste em me explicar a linguagem simbólica e onírica de sua película. Argumento que sou muito raso. Uma piscina de criança perto da sua visão. Ele projeta imagens aleatórias. Sergei é a cara do barbudo cientista-sumério. Comento essa peculiaridade com ele. A resposta vem em canção. A letra diz que o ser humano é mímese, que é o cerne da nossa existência.

Maria Gabriela Llansol surge em grande estilo. Uma figura interessante. O Paradjanov-cientista-sumério comenta que compartilha com a escritora o uso do cotidiano com chave para infinito. Desconfio que ele está completamente chapado. Procuro pela lata de leite condensado. Ele continua a filosofar dedilhando um violão. Eu não entendo nada do que ele fala. Não vejo os signos, as conexões, a harmonia do seu palavreado. Não capto nenhuma metáfora, nem as referências. Estou fora do tom. Sou uma nota dissonante. Caetano surge do nada como um Mestres dos Magos. Pego o meu unicórnio e espero por uma saída. E ele diz olhando nos meus olhos: “Cê’ é burro cara, que loucura. Como você é burro, que coisa absurda.”

O desespero é grande. Preciso sair desse ambiente indefinido. Repleto de simbologias que não estou apto para traduzir. Sinto um cheiro de dama-da-noite no ar. Caio na bobagem de comentar com o meu Paradjanov-cientista-sumério-filósofo. Ele diz que a identificação é uma amálgama das coisas. Putz, agora não entendi mesmo. Meu barbudo me guia para o fim da minha ignorância. E puxa uma poesia do abstrato. Diz que a dama-da-noite tem um fulgor vizinho nas memórias. Que faz dobrar o joelho da gente quando passa. Entendo que lugar é esse. Estou preso em uma entrevista do Marcelo Camelo. Eu me ajoelho. Rogo ao Deus das partículas de prótons para me tirar desse lugar.

Flano até chegar na Zona Oeste da minha alucinação. Agora, tudo parece ser uma filmagem em Super-8. A nostalgia pode ser tocada com os dedos. Lagartixas, samambaias e insetos tropicais nos acolhem como entes queridos e mágicos. Tudo é vida, tudo é música, tudo é tão complicado que Jung não encontraria a correlação. Penso em comprar uma Barsa de significados de sonhos. Ouço uma frase de Cesare Pavese ecoar: “poesia é quando um idiota olha para o mar e diz que parece azeite.” Finalmente, entendi uma frase. Vejo o mar se transformar em azeite. Eu sou o idiota, comemoro. O portal é aberto nesse instante. Passo entre sumérios, grandes colisores, romãs. Grito adeus a esse mundo onde a minha inteligência foi reduzida a um Bóson de Higgs. Pego um biscoito da sorte e mordo na vã tentativa de entender algo. A resposta surge no papel molhado de saliva: a vida é bem menos complexa do que uma resposta do Marcelo Camelo. Relaxe.

 

Anúncios

2 pensamentos sobre “Meu cérebro, um Bóson de Higgs.

  1. michel disse:

    Tem muita gente precisando ler esse seu texto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: