Do que eu ainda falo quando falo de natação

Olimpíadas, hora de voltar para um assunto que me faz bem. O escritor Nick Hornby atrelava a ascensão e a queda do Arsenal aos momentos da sua vida. Segundo ele, tudo estava correlacionado. Se eu fizesse o mesmo com o Flamengo, teria que desenhar uma infância memorável e uma vida adulta sofrida (com picos de felicidade vascaínos e Pet). Por isso, procuro algumas conexões na piscina. Quando estou bem, nado sem pensar e faço os melhores tempos. Quando estou com raiva, o braço entra mais forte, a técnica se perde e canso invariavelmente. Se decepcionado, nado sem objetivo algum. O quadril desce e a superfície é algo a se evitar.

Experimento entrar na piscina e no trabalho como se cada dia fosse um recomeço. Escolho de largada apagar todos números da cabeça. Sejam eles os do 100m livre ou os dos prêmios. Ao zerar o meu relógio, descubro em muitas oportunidades uma sensação inspiradora. A de voltar a comemorar as conquistas, por menores que sejam. Reencontro o prazer dos centésimos no trabalho. Dos detalhes que fazem diferença ao fim do dia, que nos devolvem zerados para casa. É um aprendizado que demanda foco na sua raia. Até porque, quando você olha demais para o lado, pode dar com a testa na parede.

Nesse momento turbulento do mercado, do País, tenho nadado sem pressão, mais leve. O que me faz lembrar dos ex-atletas que treinavam comigo. Todos tinham na cabeça seus recordes dos tempos mais jovens. Alguns conseguiam lidar com a ideia de aquele número mágico no cronômetro não seria mais alcançado. Outros, não. Esses nadavam à procura do passado, mesmo sabendo que o certo na natação é manter a cabeça centrada. Por ter começado depois de burro velho, não tenho registro qualquer dos meus tempos. Não nado para buscar o que eu fui, nado para o que serei.

Nadar é também um exercício fundamental sobre o silêncio. Repare na quantidade de pequenos sons que nos rodeiam. O teclar, o vibrar do celular, o aviso de email. Trememos em abstinência pela simples possibilidade de não responder a esses chamados. Mergulho para ouvir menos, busco a desconexão.

Cada treino é um ensinamento sobre os próprios limites e um aprendizado sobre as dores. Respeito mais o meu corpo na piscina do que na agência. Se o ombro apita, corro para os elásticos. Se a lombar reclama, evito nadar peito e borboleta. A ideia é ter esse mesmo grau de alerta para o trabalho e ser capaz de escutar o que um torcicolo pode significar. Muito antes que o corpo comece a nos sabotar aos poucos. E ser capaz de enxergar esses detalhes nas pessoas que me importam. Entender, por exemplo, que aquela perna balançando é muito mais do que uma perna balançando.

Respirar, essa arte esquecida, é outro ponto crucial. Eu acreditava que quanto menos eu respirasse, mais rápido seria. Pode funcionar para os 50m livre. Passa a ser uma tática mortal para as distâncias maiores. A ligação é precisa quando pensamos em processos de trabalho. Já vi amigos perdendo o cabelo, outros com herpes, alguns com crise de ansiedade, pela ânsia vã de serem infalíveis. Por acharem que vão resolver tudo sozinhos. O ser humano falha e essa é uma das belezas que nos separa das máquinas, dos arrogantes. Respiro e valorizo cada segundo de descanso na borda, em casa.

Na piscina, pouco importa quem você é lá fora. De touca e óculos, fica difícil manter a pose. Treino hoje com uma galera que é faixa preta na arte de zoar o próximo. Pode ser milionário, condecorado, bajulado. Se chegar segundos atrás, vai ouvir. E acredite: isso torna todos ali mais humanos, menos intocáveis.

Regresso a esse tema e convido você a encontrar a sua piscina, seja ela qual for. Mergulhe sem medo. Olhe para a sombra no fundo, mas não tente alcançá-la. Deixe que ela há de encontrar um outro alguém que você não vê há tempos. Um você mais inteiro, mais verdadeiro.

GOPR0058_1024

Anúncios

6 pensamentos sobre “Do que eu ainda falo quando falo de natação

  1. Compartilho esse prazer pelas piscinas. Pra mim, é um mergulho interior que, paradoxalmente, me faz sentir em expansão. Admiro as águas. Em câmera lenta, o soco dos campeões olímpicos tem evidenciado um dos seus superpoderes: dividir-se em milhares de gotas para, imediatamente depois, voltar a ser uma. Livre, bela, sapeca. Pura inspiração de vida.

  2. Podes Crawl, Kassu. Contar respirações numa piscina melhorou muito minha vida também. Não sei se já vistes, mas existe um documentário muito bacana e inspirador no SPORTV http://globosatplay.globo.com/sportv/v/3632287/ sobre a história de Diana Nyad, a primeira americana a atravessar a nado de Cuba até os Estados Unidos, um dos trechos mais perigosos do Atlântico. O mais impressionante é que, depois de tentar várias vezes, desde os vinte e poucos anos de idade, ela só vai conseguir aos 64 anos. Falando em boas histórias, conheces bons livros sobre natação para indicar? Um forte abraço e boas braçadas por aí!

    • andrekassu disse:

      Conheço bem essa história dela. É incrível.
      Livros sobre natação? Putz, não conheço. O livro que inspirou o primeiro texto sobre natação é do Haruki Murakami, no qual ele relaciona o método criativo dele com as corridas. Do que eu falo quando falo de corridas é o nome. Esse vale buscar. Grande abraço.

  3. Tiago Rocha disse:

    André, duas coisas:

    Primeiro, parabéns pelo texto, aproveitei e li novamente o primeiro “Do que eu falo quando eu falo de natação”. E lhe digo, me identifiquei muito com suas palavras. Encontrei na capoeira a minha piscina, o ambiente onde falo menos, ouço mais e dou espaço aos sons dos instrumentos na roda e as palavras do Mestre.

    Segundo, acompanho você e seus relatos desde que descobri seus textos “por acaso” e desde então sempre reservo algum tempo para revisitar os mais antigos. Você me inspirou a escrever, ao ponto de criar alguns textos e gostaria de envia-los a você, se puder, ficarei muito bastante agradecido.

    Siga firme nas braçadas, abs.

    • andrekassu disse:

      Tiago, bom saber que o que eu escrevo aqui do meu canto conecta com você. Minha mulher teve uma bonita história com a capoeira e consigo visualizar esses detalhes que você menciona. Pode mandar, sim. akassu@gmail.com . Não prometo uma pronta resposta, mas prometo uma resposta.
      Grande abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: