Estocolmo não é aqui

Um assistente que é humilhado pelo gerente diariamente e o chama de mestre. O funcionário que reclama do seu chefe em mantra, mas que não dá o passo para ficar longe do mesmo. Um profissional que é tratado aos gritos, mas abafa o que sentiu nas agressões com um aumento. Um grupo de sequestrados em um assalto a banco em Estocolmo. Os reféns usam os corpos como escudo para proteger seus raptores em uma ligação sentimental que se estende por tempos após o ocorrido. Em comum, o lado oprimido que acredita não haver mais saída, que essas são as regras para sobreviver. Uma relação de coerção e poder onde a vítima, extenuada mentalmente, passa até a desenvolver uma simpatia pelo seu opressor. Para os reféns de Estocolmo, os sequestradores garantiram a vida. Para os do cotidiano, a garantia é do emprego.

A maioria das pessoas imagina com quem gostaria de trabalhar. Você elege alguns nomes na cabeça, estabelece uma meta e corre em busca dela. Talvez seja o caminho mais difícil. Porque envolve uma série de fatores, entre eles a imprevisível sorte. Pensar em um emprego ideal é também uma fuga da realidade, uma licença poética para a acomodação. Já que não alcanço o que quero, fico por aqui mesmo. Proponho uma outra pergunta. Essa mais difícil de admitir, porque envolve ser verdadeiro consigo mesmo. Com que regras você não gostaria de trabalhar? Pensar no que é agressivo aos seus princípios, pode ser um bom jeito de se movimentar.

Falo de princípios porque eles são caros. Para mantê-los, muitas vezes é preciso perder dinheiro. Um funcionário que prefere ser demitido a ter que seguir quem não admira seria um bom exemplo. Princípios custam mais do que vaga na garagem, job filé e salário. Na cultura “manda quem pode, obedece quem tem juízo”, acredita-se que todo problema pode ser resolvido em uma gestão estilo programa de auditório. Basta caminhar pelos setores gritando: quem quer dinheiro? Assim, todo mundo fica feliz. No dia 30, mas feliz. Aqui, há espaço para uma nova questão: quanto custa a sua insatisfação? Promessa não vale como resposta.

Cada empresa tem a sua cultura. E nenhuma cultura está equivocada. Você é que se adequa ou não a ela. O que é agressivo para um colega, pode não ser para você. O que você aceita sem titubear, pode não ser tão simples para a pessoa ao lado. É sempre uma questão de escolha. Para o comando, é importante ter as peças certas no tabuleiro. Para as peças, o desafio é saber se esse é o jogo certo. Lembrando: quem se contenta em ser peão não chega nem a cavalo. Eu sou partidário de questionar sempre. Grandes barbaridades começaram por seguir ordens cegamente. Em uma escala menor, empresas são passíveis do mesmo mal.

Difícil falar do exercício da sensibilidade em um ambiente competitivo por natureza. Em um volume de pressão desumana não dá para esperar cobranças sensatas. A simples demonstração de humanidade pode ser confundida com fragilidade. Os profissionais não fraquejam. Eles lutam, remam e não procuram entender o porquê. Há, porém, uma frase do Freud que serve de mudança de perspectiva aqui: “Nós poderíamos ser muito melhores se não quiséssemos ser tão bons.”

Não há nada errado em ser um pouco mais humano. Não há mal algum em desejar um balanço melhor entre a vida pessoal e profissional. Uma hora, a porta do banco de Estocolmo abre. Até lá, tenha em mente que a decisão de correr ou fazer o papel de escudo continuará sendo sempre sua.

Anúncios

20 pensamentos sobre “Estocolmo não é aqui

  1. Rafael Matos disse:

    Excelente texto! Serve como um “wake up call” para muita gente, inclusive eu.

  2. Adherbal disse:

    Muiiiito bom!

  3. O tipo de texto para se ler sempre que a vida se parecer com uma segunda.
    Sensacional.

  4. Ser o Senhor do próprio Destino e da sua Vida é uma escolha simples e óbvia demais para que a manada (a maioria) escolha seguir. Poucos têm a cara-de-pau de tomar decisões que soem dissonantes com o senso comum. A porta para não ser refém do stablishment é estreita demais e quase todos oPTam pela porta larga do mundão.

  5. Thiago disse:

    Viu o Wiplash? Tem a ver com umas questões que você levantou aqui.Acho que pode te interessar. É sobre um professor de música que acredita que as pessoas só atingem seu potencial na base da porrada. O personagem é meio caricato, mas infelizmente é um tipo que tá aí no nosso mercado.

  6. Thiago disse:

    *Whiplash

  7. Rony disse:

    Excelente reflexão! Ótima leitura!

  8. Vinícius Pinheiro disse:

    Cara, desculpa a expressão, mas seus textos são pra fuder.

    Especialmente este, é pra tirar qualquer cidadão da zona de conforto. Tenho 22, sou publicitário recém formado no interior de SP e elegi a CP + B São Paulo como meta. Confesso que principalmente pela filosofia que você transmite.

    Há um caminho?

  9. Fabio Oribka disse:

    Era o que eu precisava!
    Excelente texto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: